Seguramente - Consultores de Seguros e Financiamentos

Ver proposta de simulação

Simulação de Seguro de Vida Crédito | Seguros Vida Crédito Habitação

Desde a entrada em vigor do decreto lei 222/2009 que existem novas regras para os seguros de vida, é agora livre de fazer ou transferir os seguros associados ao(s) seu(s) crédito(s), habitação ou outros, para onde encontrar melhores condições e o melhor preço de seguro, sendo o seguro de vida para crédito habitação o seguro principal.

Se pretende poupar até 60% com o custo desses seguros sugerimos que faça uma simulação de seguro de vida, pois é o ponto de partida, e nós conseguimos dizer-lhe quais os melhores seguros de vida para o seu caso. Basta usar o nosso simulador de seguro de vida e obterá um comparativo que lhe será explicado por um dos nossos especialistas. Vamos indicar-lhe qual o melhor seguro de vida, qual o seguro de vida mais barato, o seguro de vida de melhor qualidade preço, e o melhor seguro de vida que pode contratar. Além disso, vamos explicar-lhe como funciona um seguro de vida, no que diz respeito à simulação e ao processo de transferência ou como contratar o seu novo seguro de vida.

A SEGURAMENTE, tal o sucesso que estas transferências têm tido, acabou por especializar-se neste tipo de operações e podemos acoselhar o melhor seguro de vida para o seu caso.
Fique tranquilo, tratamos de todo o processo e damos todo o acompanhamento, incluindo tratar directamente com o seu gestor de conta bancária, quando ou se for necessário. Explicamos-lhe sempre como funciona, desde as coberturas à conclusão do processo de transferência Do seu seguro de vida para crédito habitação.

Em 90% dos casos, além de ficar a pagar quase metade do que pagava, ainda consegue melhorar as coberturas.

Com a SEGURAMENTE fica a saber quais as melhores opções de seguro de vida em Portugal.

"Há dois poderosos destruidores: o tempo e a adversidade."
Alfred de Musset

Simulador de Seguro de Vida Crédito | Seguros Vida Crédito Habitação

1 - Número de pessoas seguras*

2 - Dados da 1ª pessoa segura

- - (dd-mm-aaaa)

3 - Características do Crédito

4 - Coberturas

5 - Modo de pagamento

6 - Outras indicações

Perguntas Frequentes

Porque devo transferir o meu seguro de vida do crédito habitação para uma seguradora especializada?

1- Poupança até 60%: é muito provável que quando contratou o seu crédito habitação tenha sido obrigado a contratar os seguros de vida e seguro multirriscos habitação numa seguradora do próprio banco ou numa seguradora recomendada pelo mesmo, ou beneficiado de uma redução por os ter contratado dessa forma . Acontece que o que paga por esses seguros ultrapassa largamente o benefício que recebeu pela redução (modesta) do spread. Como a partir da publicação do Decreto-Lei 222/2009 passou a deixar de ser obrigado a fazer os seguros no banco, é agora livre de os fazer onde quiser.
Note que se beneficiou de uma redução do spread, terá que negociar a saída dos seguros, recorrendo provavelmente a outro produto bancário em substituição. Se nos enviar a sua escritura vamos ajudar a perceber qual a sua situação e vamos planear consigo a transferência, através dos nossos consultores especializados. Em 90% dos casos, o cliente que executa esta transferência de seguro, poupa 60%. Imagine que o seu crédito é a 40 anos, são 60% x 40 anos, é uma poupança gigantesca.

2- Melhoria de coberturas: como o seguro do banco é muito mais caro que o de uma seguradora tradicional, a generalidade dos clientes tem no seu seguro coberturas bastante deficientes para aquilo que seria exigido numa circunstância em que tanto as pessoas seguras como o banco pretendem proteger uma dívida. Nesse sentido, é quase certo que estará entre as pessoas que tem no seguro, além da cobertura de Morte, a cobertura de Invalidez Absoluta e Definitiva, vulgo IAD. Ora, esta cobertura só é accionada se a pessoa segura ficar num estado de invalidez de tal gravidade que não consiga fazer os actos básicos de vida (alimentar-se, vestir-se, deslocar-se, etc) sem a ajuda de uma outra pessoa. O problema é que não precisa de chegar a este alto grau de invalidez para já não conseguir trabalhar e pagar os seus compromissos (o de pagar mensalmente o crédito incluído). Conclui-se então que não tem a cobertura adequada para poder ficar descansado.
Ao transferir o seguro de vida, além de poupar, vai passar a ter a cobertura de Invalidez Total e Permanente, vulgo ITP, e esta sim, já vai garantir que se tiver uma invalidez profissional e uma invalidez física na ordem dos 60% (pode variar entre 60% e 66%) vai ficar bem protegido.

Seguro de Vida em Portugal em 2020Transfira o seu seguro de vida e aproveite os 5 principais benefícios que lhe apontamos neste artigo

3- Poupança anual automática: separamos este tipo de poupança da anterior porque não tem a ver propriamente com o prémio que passa a pagar com a transferência, tem a ver com um mecanismo automático que ocorre anualmente e que afecta o capital da sua apólice. Os seguros de vida que começaram a surgir em 2009 são entendidos como os mais modernos, e são os chamados decreasing term life. Isto significa o seguinte: quando contrata o seguro de vida vai informar a seguradora do montante em dívida no crédito, do prazo, do spread e do tipo de indexante (euribor a 3, 6, 9 ou 12 meses). Com estes dados, a seguradora tem a possibilidade de saber quando deve ao banco em cada momento.
Assim, e anualmente, o capital do seguro é actualizado automaticamente para que seja coincidente com o valor da dívida.
Já sabemos que por cada ano que passa o nosso seguro de vida fica mais caro porque ficamos mais velhos, logo representamos mais risco para a seguradora, e o prémio que pagamos aumenta todos os anos.
Apesar de não atenuar completamente este efeito de aumento do prémio devido à idade, o facto de passar a ter um seguro de vida do tipo decreasing term life vai ajudar a aliviar um pouco esse aumento anual.

4- Falsas declarações involuntárias e anulabilidade do seguro: quando estamos a comprar casa e a tratar do processo de crédito habitação junto do banco, os seguros são a nossa última prioridade. Queremos pagar o menos possível e um processo de contratação não muito complicado.
Acontece que esta predisposição pode ser fatal para a validade do seguro. Quando estamos a contratar um seguro de vida, temos que preencher um questionário clínico com perguntas sim e não. Quando respondemos sim temos que especificar o motivo da resposta. Depois, é provável que tenhamos que juntar documentação médica de suporte à resposta. Se uma eventual doença ou incidente (cirurgia, por exemplo) revelarem uma pré-existência, essa situação ficará excluída do seguro. Isto é o normal. Agora imagine que temos uma escritura para marcar e um negócio para concretizar e damos connosco a pensar que se respondermos sim, vamos atrasar todo o processo e até perder o negócio. E então respondemos não a tudo. E imagine até que não chegou a responder a um questionário clínico e lhe perguntaram apenas se tinha alguma doença.
Se isto aconteceu consigo, saiba que o seu seguro pode ser anulável por falsas declarações (na maioria dos casos involuntárias) e não ter qualquer validade. E se assim for declarado um dia no meio de um sinistro, saiba que além de não ter a sua dívida paga também não vai receber os prémios que pagou durante anos em que teve esse seguro.
E porque não, então, passados alguns anos e com o negócio já fechado e a escritura feita, parar um pouco e subscrever um novo seguro de vida respeitando todos os itens necessários e seguindo os conselhos de alguém especializado? Pode fazê-lo começando por pedir uma simulação com comparativo entre várias seguradoras, o da SEGURAMENTE é o simulador mais antigo em Portugal e a empresa com mais experiência nestes processos de transferência.

5- Análise às exclusões: é um ponto que tem a ver com o anterior, se está na situação em que preencheu um questionário à pressa ou respondeu apenas à questão se tinha alguma doença, é ainda mais provável que não tenha lido (ou sequer recebido) as Condições Gerais do seu seguro de vida. Este documento que tem muitas páginas, é até relativamente fácil de ler, pois tirando toda a mecânica contratual que tem que ser especificada e que ocupa muitas páginas, sobram algumas (poucas) com a definição das coberturas e as exclusões que as acompanham. Esta leitura é crucial para saber se uma exclusão se lhe aplica ou não. Por exemplo, se anda de mota, é muito provável que esteja excluído. E se faz algum desporto de forma profissional também, se faz desportos com algum risco idem, se emigrou sem informar a seguradora também, se passou a ter uma profissão de risco igualmente. A maioria destas exclusões são ultrapassáveis mas implicam trabalho, neste caso o nosso. E o nosso trabalho, para si, é completamente grátis.
Portanto, se não tem as Condições Gerais do seu seguro de vida ou tem e nunca as leu, aproveite para transferir o seu seguro, começando de novo um processo que pode ser crucial para a sua vida, recolha todas as vantagens dessa transferência, que explicámos acima, e beneficie da experiência de consultores que fazem este acompanhamento de forma profissional e diária.

Estamos disponíveis para receber o seu caso, escutar as suas dúvidas, enquadrar a sua situação de vida e profissional com o seguro mais adequado, ultrapassando exclusões, simulando em 25 seguradoras e disponibilizando-lhe um consultor especializado que actuará como um seu amigo, apenas concentrado nos seus interesses e em garantir que se um dia, por infortúnio, precisar de accionar o seu seguro de vida (ou os seus herdeiros)ele funcionará e serão honrados os compromissos assumidos pelas duas partes, a pessoa segura e a seguradora.

Veja todas estas informações com um dos nossos consultores em directo na TVI24 informando como se deve contratar um seguro de vida para crédito habitação e as alterações que o Decreto Lei 222/2009 veio trazer

http://www.youtube.com/watch?v=2Aiaf2f7Lqs

Quais os Melhores Seguros de Vida em Portugal, em 2020?

1- Critérios para definir qual o melhor seguro de vida em 2020, em Portugal:

Começando pela evidência de que um seguro de pode ser melhor ou pior consoante a pessoa que fica segura, existem critérios gerais que podem ajudar a definir a qualidade de um seguro de vida. E eles são:

1.1 Uma lista pequena de exclusões e que estas tenham pouca abrangência, ou seja, sejam as exclusões normais e usuais num seguro de vida.

1.2. As coberturas que o compõem e neste caso a cobertura de Morte é uma cobertura base e fundamental em qualquer seguro de vida. Depois segue-se a cobertura de Invalidez, e aqui é muito importante definir o que são os tipos de coberturas de invalidez principais.
A Invalidez Absoluta e Definitiva, ou IAD, é definida como aplicável quando a pessoa segura fica num estado de tal gravidade que não consegue realizar os actos normais de vida com independência, como levantar-se, alimentar-se, etc, tendo que recorrer à ajuda de uma outra pessoa. Algumas seguradoras adicionam um outro requisito a esta cobertura, que é verificação de uma invalidez física de 85%.
A Invalidez Total e Permanente, vulgo ITP,  e que em algumas seguradoras tem a designação de Invalidez Definitiva para a Profissão ou Actividade Compatível, IDPAC, tem um nível de protecção bastante superior.
Aqui entram em equação dois requisitos cumulativos para que esta invalidez seja declarada e esta cobertura accionada: o primeiro é uma invalidez de carácter profissional, ou seja, a pessoa segura em consequência de doença ou acidente fica impossibilitada de desempenhar a sua profissão ou outra equivalente de acordo com os seus conhecimentos e aptidões. De seguida, é necessário adicionar um requisito de invalidez física, de grau igual a 60% ou 65%. Quando mais baixo o grau melhor é a cobertura, pois mais facilmente é atingido.

Melhor Seguro de Vida em Porrtugal em 2020
É possível pagar metade pelo meu seguro de vida crédito?

2- Quais os melhores seguros de vida do mercado em 2020 (no ramo do crédito habitação, os mais procurados)

2.1 Como vimos já, temos que excluir os seguros de vida  com a cobertura de Invalidez Absoluta e Definitiva, ou IAD.
No entanto, sempre que a pessoa segura não possa subscrever uma Invalidez Total e Permanente (ITP), a melhor cobertura, é possível encontrar opções em que as coberturas de Morte e IAD são complementadas com coberturas extra que enriquecem o seguro de vida, e estas são a Morte Por Acidente, e a Morte Por Acidente que Origina Filhos Menores a Cargo da pessoa segura.

2.2 Passando para a ITP, e concentrado-nos só nela, um seguro de vida é melhor que outro quando a percentagem de invalidez física (um dos requisitos cumulativos) é mais baixa, o que existe disponível são estas percentagens: 66%, 65%, 60%. Se tiver de optar, escolha de 60%.

2.3 É possível encontrar opções em que a ITP é complementada também por coberturas opcionais, e a primeira variante é a semelhante à da IAD, e é pela inclusão das coberturas complementares de Morte Por Acidente, e a Morte Por Acidente que Origina Filhos Menores a Cargo da pessoa segura.

2.4 Segue-se uma opção igualmente interessante em que se acrescenta a cobertura opcional de Morte por Acidente de Circulação, que significa que a seguradora paga mais um capital se a pessoa segura falecer num acidente envolvendo um meio de transporte. Isto torna o seguro de vida para crédito habitação num meio para proteger igualmente a sua família fora do âmbito do crédito. É muito indicada para pessoas que conduzam ou viajam muito.

2.5 Dentro deste âmbito da protecção familiar dentro de um seguro de vida que se destina a cobrir o crédito habitação, é muito interessante a opção das seguradoras que ao segurarem duas pessoas seguras, o fazem em apólices separadas, mantendo a competitividade do prémio a pagar. Isto porque a morte ou invalidez simultânea das pessoas de um casal pode verificar-se, e nesse caso uma das apólices responde perante a dívida do crédito e a outra é atribuída aos beneficiários, que normalmente são os filhos.

2.5 É possível contratar neste tipo de seguro de vida a cobertura opcional de Doenças Graves, que estabelece um capital seguro em que caso se verifique uma das doenças graves na apólice, é imediatamente pago à pessoa segura em caso de diagnóstico de uma dessas doenças.

2.6 Por fim, temos a possibilidade de adicionar coberturas adicionais que duplicam e até triplicam o capital em caso de acidente, ou seja, em caso de morte por acidente ou em caso de invalidez por acidente.

Como simular um seguro de vida?

1. Datas de nascimento e não idades: os prémios que pagamos por um seguro de vida são calculados multiplicando uma idade ou duas idades (se for um seguro sobre duas cabeças) por uma taxa. Esta taxa é a medida do risco que a seguradora assume, é a expressão numérica do risco de morte ou invalidez que representamos. Por exemplo, se temos 25 anos, representamos um risco pequeno para a seguradora, relativamente a uma pessoa com 50. Mas se a pessoa de 25 anos tiver uma doença crónica ou grave, o seu risco pode ser superior a uma pessoa de 50 que seja saudável.
Quando dizemos que o prémio resulta da multiplicação de idades por uma taxa, porque falamos em datas de nascimento, não é a mesma coisa? Em seguros de vida, a idade que é considerada é a idade actuarial, que é a idade que a pessoa terá nos próximos 6 meses (para simplificar).
Assim, é fundamental que para se simular um seguro de vida seja facultada a data de nascimento, para que se possa fazer esse cálculo.
Depende da seguradora mas se o seguro é sobre duas cabeças é normal que se ache uma idade média entre as duas pessoas (claro que será a idade actuarial) e será aplicada a taxa correspondente a essa idade.

2. Data de início do seguro numa simulação: uma coisa é a data em que fazemos uma simulação, outra coisa é a data em que o seguro inicia, data essa que também colocamos na simulação.
Esta questão tem a ver com o ponto anterior, porque o que importa para a seguradora é a idade actuarial da pessoa no momento em que o seguro se iniciar e não a de hoje.
Veja este exemplo: uma pessoa que nasceu em 1 de Janeiro, faz uma simulação para um seguro de vida num dia 1 de Maio e coloca como data de início do seguro esse mesmo dia. Iria correr bem, não fosse o caso de o seguro nunca começar no dia em que fazemos uma simulação, normalmente começa um mês depois (se estivermos a falar de transferências de seguro, a grande maioria dos casos). Agora imagine que o seguro só vai começar no dia 5 de Junho. A pessoa já vai ter mais um ano, em termos de idade actuarial (porque nos próximos 6 meses vai mudar de idade). E o que acontece? A pessoa vai reclamar que o seguro tem um prémio mais caro do que aquele que lhe informaram na simulação.
Assim, tenha sempre a cuidado de tentar antecipar qual seria a data de início do seu novo seguro de vida para evitar surpresas na hora de pagar.
Na SEGURAMENTE, todas as simulações de seguro de vida consideram como data de início o dia 1 do segundo mês seguinte ao da simulação.

Seguro de vida: preços e poupançaSeguro de vida: preços e poupança

3. Circunstâncias de risco: descrição exacta da profissão - a nossa profissão é um dos elementos que mais pode alterar a medida do risco que representamos para uma seguradora, além da idade (que já vimos) e da saúde (que veremos a seguir). E como já vimos, a medida do risco reflecte-se na taxa que vai ser aplicada à nossa idade.
Há vários tipos de classes de risco mas para percebermos melhor podemos exemplificar com uma de baixo risco, a das profissões sedentárias do tipo intelectual, como um analista financeiro, que se contrapõem à profissões manuais com ferramentas do tipo industrial, como um serralheiro. É lógico que as primeiras têm uma taxa mais baixa que as segundas.
Mas esta nomeação da profissão não é suficiente para sabermos o que vamos pagar. É preciso conhecerem-se as circunstâncias de risco da profissão. Imagine que o serralheiro se esqueceu de indicar que desde há 6 meses passou a serralheiro chefe e que só supervisiona os trabalhos e dá a formação teórica na empresa de serralharia, o seu risco desvaneceu-se, certo? E se o analista financeiro fizer análise nas instalações de clientes internacionais e viajar todas as semanas para locais em todo o Mundo? O seu risco aumentou.
Portanto, além da indicação do que fazemos profissionalmente, devemos indicar de que forma o fazemos.

4. Circunstâncias de risco: saúde – é muito importante que possamos informar o nosso estado de saúde, à priori, se ele não for normal, quando fazemos uma simulação de um seguro de vida. E além do estado de saúde, pode ser importante podermos indicar se temos hábitos de vida saudável. Começando já por estes, é possível que o seu seguro seja bonificado (tenha uma redução de taxa) se tiver hábitos de vida saudáveis, querendo isto dizer, em princípio, 5 coisas: que temos um índice de massa corporal dentro dos valores normais, não fumamos, não bebemos álcool (excepto socialmente), temos uma prática desportiva regular e uma tensão arterial dentro dos valores normais.
Se temos um problema de saúde, por outro lado, ou se fizemos uma cirurgia, devemos igualmente informar para que o mediador que nos está a acompanhar possa imediatamente aconselhar qual a seguradora mais indicada e quais os procedimentos a seguir. Isto porque o prémio de uma pessoa sem problemas de saúde não é igual ao de uma pessoa com alguma doença (depende da doença mas para facilitar, entendamos como uma doença crónica e que a prazo se pode ir agravando). Isto evita que crie a ilusão de poder pagar um prémio de seguro que no fim não virá a verificar.

5. Circunstâncias de risco: desportos e viagens - a prática regular de desporto é saudável e em alguns casos até pode fazer com que o nosso seguro seja bonificado, mas depende do desporto. Se fazemos caminhadas e pilates, tudo tranquilo. Se praticamos box ou escalada, por exemplo, o nosso risco aumenta bastante. Da mesma forma que se fazemos desporto de forma profissional ou amadora mas com competições oficiais, o risco vai aumentar. É por isso que devemos informar que tipo de desporto praticamos e de que forma, para não termos surpresas de diferença de prémio entre o que simulámos e o que vem na apólice definitiva.
As viagens também são um factor de risco que é preciso assinalar e ter em conta.
Se viaja uma ou duas vezes por ano em férias, não há nada de muito relevante.
Mas se nessas duas viagens aproveita para fazer mergulho ou uma viagem de bicicleta, já temos algo a indicar. Da mesma forma que se viajamos profissionalmente, uma vês por mês, para a Europa, devemos informar mas não terá grande influência. Mas se viaja todos os meses para outros continentes, e faz estadias muito grandes, é melhor que isso seja indicado.

Como conclusão, acredite que o seu interlocutor não gosta de lhe apresentar um prémio a pagar por um seguro de vida, que depois não se vem a verificar. E acredite também que ele fará tudo o necessário para que as questões a que lhe chamámos a atenção acima sejam despistadas. Se isso não acontecer, cabe-lhe a si chamar-lhe a atenção.

É possível pagar metade pelo meu seguro de vida?

Se ainda mantém o seu seguro de vida crédito habitação junto do banco onde contratou o seu crédito habitação, saiba que pode transferi-lo e passar a pagar metade, isto porque as tarifas das seguradoras especializadas nesses seguros é bastante mais baixas.

Seguros de vida
É possível pagar metade pelo meu seguro de vida crédito?

É ainda muito provável que melhore as coberturas quando transferir o seu seguro de vida, porque a generalidade dos clientes têm subscrita a Invalidez Absoluta e Definitiva, que é um tipo de invalidez muito difícil de atingir e em que a pessoa segura tem que ficar totalmente dependente de uma outra pessoa, e não a Invalidez Total e Permanente, que é o melhor tipo de cobertura.

O Spread e os Seguros de Vida

1 – O Spread e os Seguros de Vida

Se for fazer um crédito habitação novo (ou outro tipo de crédito) deve preocupar-se a fazer o melhor seguro de vida. Existem vários seguros de vida em Portugal, deverá para isso escolher um profissional (mediador ou agende de seguros) que lhe faça uma simulação deste tipo de seguro, de preferência um broker online que tenha um simulador de seguro de vida que englobe várias seguradoras num único pedido de simulação.

Se já tem um crédito habitação e o respectivo seguro de vida crédito habitação, deve primeiramente consultar o seu gestor de conta e saber se a eventual transferência a do seguro para uma seguradora tradicional, em vez da seguradora indicada pelo banco, trará algum tipo de agravamento no seu spread.

Vamos indicar-lhe qual o melhor seguro de vida
Simulação de seguro de vida em Portugal, 25 seguradoras

Ao invés, pode consultar esta informação na sua escritura, no grupo final de folhas, normalmente quatro, chamadas “Documento Complementar à Escritura”. Aí estará mencionada qualquer bonificação comercial do seu spread.

Se nada constar, pode avançar com o processo de transferência e começar já a poupar em relação ao que paga actualmente.

Desde 2009 que os bancos ficaram impedidos por lei de limitar a escolha dos clientes no que toca a seguros, bem como de cobrar taxas por reanálise de processos, deixamos-lhe abaixo as normas que foram publicadas e que o protegem caso queira alterar o seu seguro para um mais económico e que muitas vezes tem melhores coberturas.